Disco Nota 11: The Beatles (Álbum Branco) - Beatles

sábado, 30 de junho de 2012

Por José Maurício e Paulo Fernandes

ENCICLOPÉDIA DA MÚSICA

Se pensarmos em analogias entre discos e obras literárias, o álbum lançado pelos Beatles em 1968, sucessor do “romance surrealista” “Sgt. Pepper’s” funciona como uma enciclopédia, tendo cada uma de suas 30 canções como verbetes que cobrem um amplo espectro do conhecimento musical até aquela época, numa sucessão diversificada de ritmos e estilos.


O FASCÍNIO BRANCO

: Ainda me lembro de quando pedi emprestado um disco duplo com a capa totalmente branca para gravar uma fita cassete. Era 1971 e eu acabava de chegar ao Colégio São Francisco para fazer o primeiro ano do ginásio. Triste sina de roqueiro pobre. Os últimos discos que tomei emprestado para gravar fitas K7 foram do Paulo (a coleção completa dos Beatles).

Depois consegui comprar uma caixa com 13 Lps dos Beatles vendida no Ponto Frio Bonzão. Hoje sei que o disco emprestado era a primeira edição (mono e numerada), porque a rotação de Revolution 1 estava completamente alterada. Até 1981, quando li na revista Som Três especial dos Beatles que a rotação foi alterada antes da prensagem do disco, achava que o “problema” era minha fita (Scotch) barata. Este fato faz do disco um item raro para colecionadores (inclusive estrangeiros).


Paulo: Este disco tem um valor sentimental muito grande para mim, pois foi o primeiro disco dos Beatles que comprei com o dinheiro, juntado a duras penas, de minha mesada. Na primeira metade da década de 1970, meu irmão Pedro e eu fizemos um acordo para completar a coleção de LPs dos Beatles: minha cota seriam 2 discos e eu escolhi o duplo, e mítico, “Álbum Branco”. O meu fascínio pela lenda deste álbum e pelos álbuns duplos (acho que o Maurício compartilha isso) foi plenamente recompensado logo na primeira audição.


VOLTA ÀS ORIGENS

O “Álbum Branco” (como ficou conhecido) foi a primeira volta às origens (a segunda seria o projeto “Get Back” que acabou chamando-se “Let It Be”). Essa volta às origens se traduz num depojamento de aparatos técnicos na gravação das canções, em contrapartida à sofisticação de "Sgt. Pepper's". Uma aparente simplicidade  que não abre mão, em nenhum instante, da qualidade melódica, da força da música acima de tudo.

Era o primeiro disco com selo Apple com uma capa totalmente branca onde se nota grafado The BEATLES em alto relevo e uma numeração (às vezes na parte frontal ou posterior). A capa foi criada pelo pai da “pop art” Richard Hamilton. Continha um pôster de 83x55cm com uma colagem de fotos dos quatro (também feita por Hamilton) e as letras das músicas no verso, além das fotos de cada um em formato 27,5x19,5 cm .

O Pôster

Na realidade, segundo John Lennon, este não foi um disco dos Beatles, era John e banda, Paul e banda, George e banda, etc. As composições, embora assinadas por Lennon/McCartney, eram facilmente identificadas como de um ou de outro. Não pelo vocal (geralmente, cada um cantava a sua), como pelo estilo.

Composto durante o retiro na Índia, o disco foi gravado em menos de oito meses logo após o retorno das meditações em Rishikesh. O clima das gravações era tenso devido aos primeiros problemas enfrentados pela recém-criada Apple, a presença constante de Yoko nos estúdios e até a saída de Ringo do grupo (que durou duas semanas).                 



Em dois discos (e trinta músicas), encontra-se a síntese de tudo que havia sido feito e o que ainda poderia ser feito em termos de rock, inclusive estilos. Foi o último disco dos Beatles lançado em duas versões (mono e stereo), com mixagens totalmente diferentessendo o stereo um pouco maior (vinte segundos).

Nas mesmas sessões, foram gravadas Hey Jude, Revolution (versão pesada), lançadas em compacto simples e Jubilee (lançada no LP “McCartney” como Junk), Child of Nature (lançada com outra letra como Jealous Guy no LP “Imagine”) além de What’s the New Mary Jane (lançada na forma original no “Anthology 3”). George gravou Not Guilty (regravada e lançada no LP “George Harrison” de 79) e Circles ( que apareceu no disco “Gone Troppo”).


OS VERBETES DA ENCICLOPÉDIA

O disco começa com Back in the USSR de McCartney, um surf rock pesado, aliás uma paródia em cima de Back in USA de Chuck Berry e California Girls dos Beach Boys (usando vocais e harmonias típicos desse grupo) substituíndo as garotas californianas pelas ucranianas. O efeito de um avião decolando e aterrisando foi gravado no aeroporto de Londres.

Dear Prudence foi feita por Lennon para a irmã de Mia Farrow, Prudence Farrow que, em depressão, não saía de sua cabana onde meditava. Nessa viagem à Índia existia um grande grupo de amigos, além dos 4 beatles e respectivas esposas.  

Glass Onion, de John, faz referência a várias canções dos Beatles “dando”, inclusive, mais uma pista sobre a suposta morte de Paul (Well, here's another clue for you all, the Walrus was Paul).

Ob-la-di Ob-la-da, que significa “a vida continua” em yorubá (grupo étnico da Nigéria), foi uma frase ouvida por Paul de um amigo chamado Jimmy Scott. Alcançou o topo da parada britânica no natal de 1968 gravada pelo conjunto Marmalade. Tem seu instrumental (linhas de baixo e guitarra) como precursor do reggae inglês.

Wild Honey Pie é um experimento de Paul que toca todos os instrumentos e entrou no disco por influência de Pattie Boyd (esposa de George) que tinha gostado muito da música. O título refere-se à outra canção de Paul no mesmo disco (Honey Pie).

The Continuing Story of Bungalow Bill nasceu da indignação de Lennon diante de um jovem Americano chamado Richard (presente no grupo que meditava com o Maharishi) que matou um tigre em uma caçada, posando inclusive de herói ao lado do animal morto, e depois foi meditar. O “Bill” veio de Buffalo Bill (soldado e figura lendária do oeste americano) e o “Bungalow” era onde Rick estava hospedado (bangalô). O solo de violão da introdução continua um mistério. Não se sabe nem se foi um Beatle que tocou, ou se foi tirado dos arquivos sonoros da EMI.

While My Guitar Gently Weeps, uma das melhores composições de George, tem sua letra baseada nos ensinamentos do I Ching, o livro das mutações, um dos mais antigos textos chineses. Eric Clapton toca a guitarra solo a convite de George que não sentia muito entusiasmo de John e Paul com sua música.

Hapiness Is a Warm Gun foi inspirada em uma revista sobre armas mostrada a John por George Martin, e tem como principal característica a sua construção métrica. Eram três canções que Lennon não havia terminado e resolveu reuni-las: Dirty Old Man (velho sujo), The Junkie (o viciado) e The Gunman (o pistoleiro). Embora escrita por John, a colaboração de Paul nos diferentes ritmos da canção faz dela, uma das poucas canções Lennon/McCartney do disco. O sentido da frase “A felicidade é uma arma quente”, segundo Lennon é que você acabou de atirar em algo...


Martha My Dear, foi composta por Paul enquanto praticava exercícios para piano baseados na ópera “Martha” de Frederich Von Flotow. Paul toca todos os instrumentosexceto os da orquestraque teve os arranjos a cargo de George Martin. A música é dedicada à sua cachorra Martha, mas alguns trechos indicam que foi feita também para Jane Asher, que havia terminado o namoro recentemente.

I’m So Tired escrita por Lennon em uma noite de insônia, parece “completar” I’m only Sleeping do disco “Revolver”.

Blackbird,  de McCartney, é sobre a luta pelos direitos civis. “Eu tinha em mente uma mulher negra, não um pássaro”. Também foi totalmente gravada por Paul.

Piggies, crítica de Harrison à burguesia londrina tem a ajuda de John no grunhido dos porcos.

Rocky Raccon, outra paródia de Paul, agora em cima das “histórias” contadas por Bob Dylan e Johnny Cash.

Don’t Pass Me By é a segunda música de Ringo das três gravadas pelos Beatles. Ela era citada desde 1963 por Paul em sessões da BBC. É a música que apresenta maior diferença entre as versões mono e stereo.

Why Don’t You Do It in the Road, de McCartney, possui apenas duas frases e totalmente gravada por Paul. Vale a pena conferir a versão do Grateful Dead.

I Will é uma balada acústica típica de Paul e foi gravada sem a presença de George. Paul faz os vocais e violão, John, a percussão e Ringo toca pratos, bongô e maracas. A letra ainda não estava completa até o início das gravações.

Julia é uma homenagem de John à sua mãe, com referências a Yoko, cujo nome significa filha do oceano (ocean child). É a única música gravada apenas por Lennon em um disco dos Beatles. Parte da letra é adaptação de um poema “Sand and Foam” (areia e espuma) de Kahlil Gibran.

Com o Maharishi

Birthday, composta e gravada no dia 18 de setembro de 68, em vinte takes (o 19 é o do disco) com todos Beatles, Mal Evans (palmas), Yoko Ono e Pattie Harrison nos backing vocals.

Yer Blues é mais uma de Lennon onde ele expressa a angústia da ausência de Yoko Ono que, embora sem ter começado o relacionamento, lhe escrevia regularmente. Na letra John lamenta que está e quer morrer e se sente comoDylan’s Mr. Jones” em referência à Ballad of a Thin Man de Bob Dylan. Foi gravada apenas pelos quatro, em formação básica e com vocais de John.

Mother’s Nature Son, de McCartney, começou a ser composta na Índia, mas teve a maior parte escrita em Liverpool na casa do pai de Paul, inspirada em Nature Boy de Nat King Cole.

Everybody’s Got Something to Hide Except Me and My Monkey tem o título baseado numa frase do Maharishi com as devidas exceções (John e o macaco). Embora John tenha declarado em 1980 que se referia a Yoko e ele (“...todo mundo pareceu paranoico exceto nós dois, que estávamos no brilho do amor...”), o termo “monkey” parece ter vindo de uma gíria dos jazzistas para a droga que John e Yoko estavam “experimentando” para escapar da pressão da imprensa sobre o relacionamento dos dois (a monkey on the back, ou um macaco nas costas remetia ao vicio de heroína).

Sexy Sadie foi escrita por John ao abandonar o retiro na Índia frustrado com as suspeitas de que Maharishi estava assediando Mia Farrow. Enquanto esperava as malas para colocar no táxi ele começou a cantar: Maharishi, what have you done, you made a fool of everyone” (Maharishi, o que você fez, você fez todo mundo de tolo). Aconselhado por George Harrison, ele trocou Maharishi por Sexy Sadie e os “he” por “she”.

Helter Skelter, uma aula de rock pesado (ou rock pauleira, como chamávamos antes das divisões em heavy metal, death metal, black metal, hardcore, hard rock, metal core, Power metal, punk rock, trash metal...), de Sir Paul McCartney injustamente considerado por muitos apenas um compositor de baladas. Resposta de Paul à declaração de Pete Townshend sobre I Can See for Miles, do Who, como sendo a música mais barulhenta, crua e suja gravada. Sua obstinação pelo perfeito fez Ringo gravar, cada vez com mais pegada, 18 takes até que após a última tomada ele disse “I got blisters on my fingers” (“tenho bolhas nos dedos”).

Long, Long, Long, que parece uma canção dedicada a uma mulher, conta, segundo Harrison em “I Me Mine” (sua autobiografia), sua alegria em encontrar Deus.


Revolution 1 é a primeira versão gravada (antes da versão do compacto) por isso é chamada de número 1.

Honey Pie é uma homenagem de Paul às canções que ouvia no rádio quando criança com efeito das frequências altas e baixas “cortadas” no começo da música, como acontece no rádio AM.

Savoy Truffle foi composta por George em homenagem a Eric Clapton que gostava tanto de doces que chegou a ser alertado pelo seu dentista do exagero. Savoy truffle é um dos chocolates da caixa “Good News” da Mackintosh. Daí a explicação para o refrão: “But you'll have to have them all pulled out after the Savoy Truffle” (Mas você terá que extrair todos eles depois da trufa).

Cry, Baby Cry teve seu refrão tirado por Lennon de um comercial (cry, baby cry, make your mother BUY) com o “comprar” substituído por “suspirar” (sigh). A canção é quase uma fábula. Logo em seguida, ouve-se Can you take me back, uma vinheta de Paul.

Começando com uma voz repetindonumber nine”, Revolution 9 tem esse nome pelo número escrito na fita onde foi gravada. Outra teoria é que ela se chamaria number 9 Dream (canção lançada na carreira solo de John). É uma colagem de sons, um precursor do “sample” usado pelos rappers. É a “música” mais longa dos Beatles com oito minutos e doze segundos.

Good Night composta por John como canção de ninar dedicada a seu filho Julian. Ringo cantou e George Martin fez um arranjo ao estilo dos filmes de Walt Disney como Lennon queria.



FAIXAS

Todas as músicas de Lennon e McCartney, exceto as indicadas.

Lado 1

  1) Back in the USSR
  2) Dear Prudence 
  3) Glass Onion
  4) Ob-la-di Ob-la-da
  5) Wild Honey Pie
  6) The Continuing Story of Bungalow Bill
  7) While My Guitar Gently Weeps (Harrison)
  8) Hapiness Is a Warm Gun

Lado 2

  1) Martha My Dear
  2) I’m So Tired
  3) Blackbird
  4) Piggies (Harrison)
  5) Rocky Raccon
  6) Don’t Pass Me By (Starkey)
  7) Why Don’t You Do It in the Road
  8) I Will
  9) Julia

Lado 3

  1) Birthday
  2) Yer Blues
  3) Mother’s Nature Son
  4) Everybody’s Got Something to Hide Except Me and My Monkey
  5) Sexy Sadie
  6) Helter Skelter
  7) Long, Long, Long (Harrison)

Lado 4

  1) Revolution 1
  2) Honey Pie
  3) Savoy Truffle (Harrison)
  4) Cry, Baby Cry
  5) Revolution 9
  6) Good Night

      

CURIOSIDADES

O “Álbum Branco” inglês de número 000005 foi vendido no E-Bay por 19.201 libras esterlinas (US$ 29,1 mil). Acredita-se que essa cópia seja a primeira a ser vendida, que as outras quatro estariam em posse da banda e herdeiros.

É o álbum duplo mais vendido da história, embora ultrapassado em 1977 pela trilha sonora de “Saturday Night Fever”, recuperou sua posição quando do lançamento do CD.

Um dos bootlegs mais raros (e caros) é o “Black Album” (um álbum preto, triplo, com pôster e gravações tiradas dos ensaios de Let it be).

É o único disco dos Beatles lançado enquanto a banda existia em que os quatro integrantes não aparecem juntos na capa.

O José Maurício possui 11 (coincidência) unidades do “Álbum Branco”.

A coleção de LPs do Ponto Frio Bonzão

Esse artigo deveria se chamar “Disco Nota 22”, que foi escrito por 2 beatlemaníacos inveterados e se trata de álbum duplo.

A primeira vez que o Paulo escutou The Continuing Story of Bungalow Bill, pensou que a voz chinfrim de taquara rachada que aparece na música era do John Lennon cantando em falsete e fazendo troça. Depois descobriu que era a Yoko “cantando”

2 comentários:

  1. Patricia, adorei este revival!! Muito bom seu post....
    Aliás, seu blog está super bacana, parabéns!!!
    Vms trocar figurinhas...
    Bsj, Sheyla

    ResponderExcluir

Obrigada pela a atenção!