Nutrientes para seu filho crescer saudável

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Por Giuliano Agmont para bebe.com.br

Vitaminas, minerais, fibras, carboidratos... Como cada um deles interfere no desenvolvimento infantil e em quais alimentos investir para garantir os nutrientes essenciais

O corpo humano depende de nutrientes para funcionar. No caso de crianças, a função deles vai além da sobrevivência. Os alimentos também garantem o desenvolvimento e o crescimento dos pequenos. Cada nutriente tem seu papel no metabolismo. Cabe aos pais oferecer uma alimentação equilibrada para garantir o aporte ideal de cada um deles. Por isso, preparamos este guia com dicas preciosas sobre essas substâncias e suas respectivas fontes. Aqui o equilíbrio e o colorido são as palavras de ordem.

Orgânicos e inorgânicos
Existem duas grandes categorias de nutrientes. Os orgânicos e os inorgânicos. Entre os orgânicos estão carboidratos, gorduras, proteínas (ou outros elementos construtores, como os aminoácidos) e vitaminas. Os compostos químicos inorgânicos incluem os minerais e a água. Todos os nutrientes são essenciais ao organismo das crianças e muitos deles precisam ser obtidos de fontes externas porque não podem ser sintetizados pelo próprio organismo humano.

Dez passos para alimentar
O Ministério da Saúde, a Organização Pan-Americana da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria estabelecem dez passos para a alimentação saudável de crianças até os 2 anos de idade:

1. Dar somente leite materno até os 6 meses, sem oferecer água, chás ou quaisquer outros alimentos;
2. A partir dos 6 meses, introduzir de maneira lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os 2 anos de ou mais;
3. Após os 6 meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes), três vezes ao dia, se a criança receber leite materno, e cinco vezes ao dia, se estiver desmamada;
4. A alimentação complementar deverá ser oferecida sem a rigidez de horários, respeitando sempre a vontade da criança;
5. A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida com colher, começar com consistência pastosa (papas/purês) e, gradativamente, aumentar a consistência até chegar ao ponto da alimentação da família;
6. Oferecer à criança diferentes alimentos no decorrer do dia. Uma alimentação variada é também uma alimentação colorida;
7. Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições;
8. Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação;
9. Cuidar da higiene no preparo e no manuseio dos alimentos e garantir o armazenamento e a conservação adequados;
10. Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo suas refeições habituais e os alimentos preferidos, respeitando sua aceitação.

Leite materno
Ele é fundamental para a saúde das crianças, sobretudo até os seis primeiros meses de vida, quando dobram de peso. O leite materno hidrata, nutre e protege o bebê de infecções. Entre seus componentes estão água, anticorpos e leucócitos (glóbulos brancos). É um alimento isento de contaminação e perfeitamente adaptado ao metabolismo da criança. A lactose presente no leite humano auxilia a proliferação de lactobacilos, impedindo o aparecimento de infecções intestinais. Já o ferro, que está mais disponível no leite materno do que no de vaca, é fundamental para a composição dos glóbulos vermelhos (que dão cor ao sangue e transportam o oxigênio) e de algumas enzimas do sistema respiratório.

Papinhas
As papinhas com cereais (arroz, milho, trigo e aveia) e tubérculos (batata, inhame, mandioca, cará, batata-doce, mandioquinha) são o primeiro passo para a introdução dos alimentos sólidos. Elas são ricas em amido, que fornece energia para a criança crescer. Os tubérculos contêm uma pequena porcentagem de proteínas, além de vitamina C e minerais como o potássio, o fósforo, o magnésio e o enxofre. As frutas, que melhoram a atuação do sistema imunológico e auxiliam no crescimento, devem ser oferecidas in natura, sem a adição de açúcar. A partir do sexto mês de vida, o lactente depende de alimentos complementares para suprir suas necessidades nutricionais de ferro (de 50 a 70%) e de zinco (70 a 80%). A oferta adequada desses nutrientes vem, principalmente, das carnes. O leite de vaca integral, por ser pobre em ferro e zinco, não deve ser introduzido antes dos 12 meses de vida. Para cada mês de ingestão do leite de vaca, a partir do quarto mês de vida, ocorre a queda de 0,2 g/dL nos níveis de hemoglobina - responsável pelo transporte do oxigênio pelo sangue - da criança.

Sólidos
A partir de 1 ano de idade, o pequeno deve fazer cinco refeições ao dia (desjejum, lanche da manhã, almoço, lache da tarde e jantar). Em alguns casos, pode tomar leite com bolachas antes de dormir. A dieta deve ser equilibrada, variada e completa. Crianças começam a ser mais seletivas nessa fase, mas é importante evitar cardápios monótonos e com muitas restrições, o que pode levar à falta de nutrientes essenciais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela a atenção!