A importância da Ordem Maçônica para uma vida

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Segundo o livro “Maçonaria nas Américas” de Fernando Moretti, a Maçonaria é uma ordem em que o iniciado é conduzido por um membro que lhe expõe novos conhecimentos como os valores fundamentais a fim de aprender a dominar e reconhecer os seus defeitos, a sobreviver em condições adversas, ser reconhecido por outro maçom e a estar preparado para surpresas da vida. Através dos conhecimentos adquiridos durante o tempo de estudo é possível ao Maçom compreender o seu lugar em relação a um Ser Superior, o qual é chamado de Grande Arquiteto Do Universo, bem como a de seus semelhantes.
Diante dessa perspectiva o Maçom tem a oportunidade de elevação pessoal, tanto a nível espiritual, quanto intelectual. No novo caminho trilhado, preza se que o integrante do grupo seja um cidadão honesto, bom pai, pessoa empática, de bons costumes e tolerante.
Assim, acredito que através da Ordem Maçônica é possível redescobrir o mito essencial para cada um. Ainda, que o ser indivíduo começa a ser integrante de um grupo com uma finalidade maior, que é a manutenção da Liberdade, Igualdade e da Fraternidade.
Joseph Campbell, em O Poder do Mito, dá significado esse mito como experiência do sentido de vida. Ainda, fala que a falta desse mito é demonstrado no alto grau de violência vivenciado em nossa sociedade, principalmente entre jovens. Pois, é através de um referencial para o sentido de vida que é possível relacionar melhor consigo mesmo e com o mundo. Sem essa referência, a juventude precisa criar os seus próprios códigos, que na maioria não são os mesmos colocados pela sociedade.
Através de uma instituição como a Maçonaria, em que códigos e valores morais são apresentados e respeitados, é possível que seus integrantes sejam exemplos para todas as gerações, principalmente para os mais jovens. Percebo que as ações proporcionadas pela Ordem têm repercussões positivas e verdadeiras em vários segmentos de nossa sociedade.
Em minha vida, tenho diversos exemplos. Fui criada em uma família de maçons, em que há mais de três gerações o respeito: a Deus, a família, aos mais velhos e ao próximo – são aspectos de profunda relevância para a conduta de vida. Hoje, na família que Wagner e eu estamos constituindo, vivenciamos também todos esses códigos de humanidade compartilhados dentro da instituição. Procuramos lapidar nosso ser, para que possamos transmitir os bons hábitos e a conduta correta ao nosso primogênito.
Finalizo com uma referência de Moretti, que diz a Maçonaria não é uma sociedade secreta, e sim discreta – vista que não faz propaganda de suas ações sociais e humanitárias. Mas, é fato de que a Ordem transforma positivamente a vida de todos.

Patricia Finotti Felipe – é jornalista, especialista em Planejamento Educacional e Professora da Língua Inglesa.

* Artigo publicado na revista União de Goiás Ano 4 nº 16 - nov/dez 2010
http://www.revistauniaodegoias.com.br/

Cooperativa de crédito: economia mais solidária e inclusão social

*Artigo (parte) publicado na Revista Escrita/CRC-GO nº 13

O cooperativismo tem sua importância em relação ao crescimento econômico do país. Um exemplo são os das cooperativas de crédito que vem ocupando os espaços deixados pelas instituições bancárias não só nas pequenas comunidades, mas, principalmente nos grandes centros financeiros, ofertando serviços mais adequados as necessidades das pessoas.
Segundo a Agência de Estatística da União Européia, as cooperativas de crédito representaram no início desta década, 46% das instituições de crédito naquele continente, sendo responsáveis por 15% das operações de intermediação financeira. Já o Brasil está classificado como o 18º país do mundo com maior expressão nesse setor, sendo atualmente 1.422 cooperativas de crédito com 3,2 milhões de associados.
A expansão desse sistema de crédito deve se a concepção do seu formato. O cooperativismo é um modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social, tendo como referenciais a participação democrática, a solidariedade, a independência e a autonomia. O sistema é baseado na reunião de pessoas e não no capital, tendo como principal objetivo às necessidades do grupo e não do lucro. O cooperativismo de crédito proporciona a prosperidade conjunta, otimizando a distribuição e a circulação da renda, podendo atuar como agente de desenvolvimento local. São instituições financeiras integrantes do Sistema Financeiro Nacional (SFN), sendo o seu funcionamento definido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e suas operações fiscalizadas pelo Banco Central do Brasil.Com estas perspectivas o cooperativismo é uma alternativa socioeconômica que tem atraído diversos associados.
Através da cooperativa de crédito é possível promover uma economia mais solidária e de inclusão social. Além de facilitar o acesso ao crédito e a outros produtos financeiros, proporciona a cultura da poupança e concessão de empréstimos a juros abaixo do mercado.
Todo sistema de cooperativa de crédito é regido pela Lei 5.764/71 e por Resoluções do Conselho Monetário Nacional. É uma instituição financeira com forma e natureza jurídica própria, sem fins lucrativos e fiscalizada pelo Banco Central do Brasil. Podem ser associados empregados de uma empresa, servidores públicos, profissionais liberais, trabalhadores de determinada categoria, micro e pequenos empresários e empresários em geral.
Para criar uma cooperativa de crédito é preciso reunir de 20 a 30 pessoas para serem sócios fundadores, com capital inicial de R$ 3.000,00, isso no caso de empregados de uma empresa, servidores públicos, profissionais liberais, trabalhadores de determinada categoria. Outras situações podem ser obtidas através de Organização das Cooperativas Brasileiras - OCB -, Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob – Brasil, Confederação Interestadual das Cooperativas Ligadas ao SICREDI , SEBRAE e o site do Banco Central: www.bcb.gov.br.
Para criar uma cooperativa de crédito é necessária a elaboração de um projeto que demonstre sua viabilidade econômica e organizacional; o apoio de uma entidade já existente e estruturada, organizar uma Assembléia Geral de Constituição onde será aprovado o Estatuto Social, e eleitos os membros para compor a Diretoria e Conselho Fiscal, então encaminhar a documentação de constituição para o Banco Central do Brasil para obter a autorização de funcionamento da cooperativa e após a obtenção da autorização, encaminhar para registro na Junta Comercial.
A organização de uma cooperativa de crédito tem uma estrutura sólida e dividida, e é dirigida e controlada pelos associados. A Diretoria pode ser composta por no mínimo três, sendo: Diretor Presidente, Diretor Operacional e Diretor Administrativo, com mandato de até 4 anos. O Conselho Fiscal é formado por seis membros, sendo três efetivos e os outros suplentes, e o mandato não pode ser superior a um ano. É importante lembrar que neste último caso, é permitida apenas a reeleição de apenas um dos membros efetivos e um dos suplentes. Ainda sobre o exercício de cargos de associados na cooperativa, é necessário ressaltar que o associado não pode ao mesmo tempo ser empregado da cooperativa e integrante de órgão estatutário, assim como não podem compor o conselho fiscal os empregados de membros integrantes do conselho de administração. Ainda, é também ao associado, impedido de ser, concomitantemente, membro dos conselhos de administração e fiscal.
Sobre as condições para exercer os cargos eletivos, seja de Diretoria ou de Conselho Fiscal, o interessado não pode ter restrições cadastrais, relacionadas, como por exemplo, o Serasa e SPC; é preciso ter reputação ilibada, aferida através do exame de informações cadastrais, e capacitação técnica compatível com o exercício do cargo; não estar impedido por lei especial, nem ter sido condenado por crimes de sonegação fiscal, de prevaricação, de corrupção, contra a economia popular, ou contra o Sistema Financeiro Nacional, entre outros; não deve ser declarado inabilitado para cargos de administração em instituições financeiras; não haver sofrido protesto de títulos e nem ter sido condenado em ação judicial de cobrança; não participar da administração de qualquer outra instituição financeira não cooperativa; não deter mais de 5% do capital de qualquer outra instituição financeira; e não possuir parentes, até o 2º grau dentre os demais integrantes dos órgãos estatutários da cooperativa.
Casos de sucesso - Existem diversos exemplos de sucesso que tem como parâmetro cooperativas de crédito. Um exemplo que nasceu desse sistema é o BankBoston, que originou a partir de uma cooperativa de exportadores e importadores, criada no fim do século XVIII. Outro caso envolvendo grande empresa, é o circo canadense, o Cirque du Soleil, que tem como exemplo a relação de confiança que o sistema estabelece com os associados.
No Canadá o cooperativismo detêm mais de 50% do mercado financeiro. No caso do Circo du Soleil, o seu idealizador, que era um dos artistas, procurou o sistema bancário para pedir financiamento para o empreendimento, que foi negado. Então buscou apoio no sistema cooperativista da região, onde teve suporte com pequenos recursos, assim, nasceu o que hoje conhecemos como um dos maiores espetáculos do mundo.
Patricia Finotti

CAMP-GNA comemora 37 anos e recebe homenagem na Câmara de Goiânia

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Mais que merecida é a homenagem que o casal Paulo Henrique e Jadyr recebe hoje na Câmara Municipal de Goiânia. Sempre dedicados e preocupados em ajudar ao próximo, seja materialmente, ou mesmo com uma palavra amiga.
Em Goiás fundaram a 37 anos a primeira instituição voltada para a inserção de adolescentes carentes no mercado de trabalho, o Círculo de Apoio a Aprendizagem Profissional de Goiânia – CAMP-GNA.
O CAMP- GNA é uma ONG que tem finalidade social e educativa, sem distinção de sexo, cor, raça, credo religioso, sem filiação política partidária e sem fins lucrativos, que atende jovens entre 14 anos a 18 anos. Foi denominado inicialmente por Circulo de Amigos do Menor Patrulheiro, e a sua atuação é filantrópica, visando a promoção humana, atendendo jovens em situação de vulnerabilidade social, com a finalidade de integrá-los socialmente.
O adolescente passa por triagem socioeconômica e teste avaliativo (Língua Portuguesa, Matemática, História, Geografia e Atualidades), com conhecimento até o 9º ano do Ensino Fundamental. Através do Curso Assistente Administrativo o atendido desenvolve e adquire conhecimentos necessários para a sua formação pessoal, social e profissional.
Desde a sua fundação a ONG já preparou e encaminhou cerca de 5.300 jovens para o mercado de trabalho. Muitos destes hoje são empresários que recebem outros adolescentes que passam pelo CAMP-GNA.
Atualmente o CAMP-GNA conta com diversas parcerias com empresas de variados seguimentos.

Casa para Fred

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Fred é um Cocker Spaniel Inglês dourado, 11 anos, viuvo há 2, que precisa de um novo lar. É brincalhão, atencioso, dócil e carinhoso, mas ao mesmo tempo carente. Por isso, necessita de atenção e dedicação.
Com os nascimentos dos netos de seus donos, Fred ficou sem sua atenção, e está muito carente. Assim, queremos muito um novo lar para o nosso amigo, onde não sinta mais só.
Fred está devidamente vacinado e bem cuidado na espera de seu novo lar..